PT confirma Dilma como candidata à Presidência em 2014

Rui Falcão destacou ainda a renovação natural do partido

 

Rui Falcão destacou papel de Alexandre Padilha na renovação do partido

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, reafirmou nesta segunda-feira (29) que a presidente da República, Dilma Rousseff, será a candidata do partido nas Eleições de 2014.

Sem citar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Falcão chegou a dizer que o PT é o único partido do Brasil com dois nomes viáveis a disputar a Presidência em 2014.

— Se quiser, o PT tem mais de uma opção para a Presidência, embora a candidatura seja a da presidente Dilma.

Para o presidente da sigla, a popularidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cidade de São Paulo continua em alta, ao contrário do que se especulou durante o primeiro turno das eleições na maior cidade do País.

A vitória de seu partido em São Paulo “tem uma repercussão nacional e internacional”, segundo Falcão.

— Aqui se jogava a sorte do maior PIB [Produto Interno Bruto] do País e se o prestígio do Presidente Lula continuava ou não.

Apesar da força política de Lula à frente do partido e na política nacional, Falcão afirmou que, ao contrário da oposição, o PT está confortável com o surgimento de novos nomes para disputar o governo do Estado em 2014, como o ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Datena teria acertado a sua saída do “Brasil Urgente”

Em entrevista, o jornalista José Luiz Datena anunciou: “Já acertei a minha saída do Brasil Urgente”. Ele se diz cansado de apresentar o programa policial que o consagrou.

Datena também se mostrou arrependido pelas muitas brigas que já teve com Carlos Augusto Montenegro, presidente do Ibope. Depois, pediu desculpas ao bispo Honorilton Gonçalves, vice-presidente da Record pela sua passagem-relâmpago, em 2011.

Recentemente, Datena foi sondado pela RedeTV, que lhe ofereceu um programa nas tardes de domingo. A conversa avançou, mas esfriou.

Fonte: Vips em Foco

Vereadores iniciam mandato sob desgaste devido à reprovação da população na última gestão

justiça

Por Roberto Carlos C

Acabou a moleza! começaram os trabalhos no Legislativo de Osasco. Muito criticada na última gestão e considerada por muitos analistas como a pior gestão da recente história de Osasco, os velhos e os novos vereadores terão a chance de melhorar a imagem desgastada da Câmara Municipal. Um dos motivos de tantas críticas foi a conivência de alguns vereadores que não se impuseram e deixaram que o poder executivo manipulasse o tempo todo. E votos de aplausos, de pesar, títulos de cidadão a três por quatro, indicação do nome de alguém para agradar a outro alguém e outras bobagens mais. É que grande parte dos vereadores são vereadores lagartixas, baixam a cabeça a tudo que o executivo ordena. Ou na verdade nem ordena. O executivo, a bem da verdade, não está nem aí para o legislativo. Por outro lado, fiscalização do executivo é mosca branca nas câmaras. Ninguém sabe nem por onde começar. É que falta base legal aos nossos vereadores e muitas vezes os assessores jurídicos preferem se eximir a orientar. Muitos vereadores são saídos da massa, quase todos com pouca escolaridade.

O poder legislativo não pode ser subserviente ao executivo. Ele deve se impor em todos os níveis e esta imposição deveria ser regra. Infelizmente isso não ocorre em todos os municípios, principalmente no que diz respeito às câmaras de vereadores de algumas cidades. Elas, salvo honrosas exceções, são subservientes às prefeituras. São sucursais, filiais delas. Fazem uma, duas reuniões por semana, quase sempre inócua, tediosa, sonolenta e medíocre. Não se apresenta projetos para melhorar as condições de vida do povo, mas apenas aqueles requerimentos feijão velho com arroz bichado, aqueles ridículos “requeiro à mesa que depois de ouvido o plenário, (…) blábláblá…”.

Outro agravante, os distintos vereadores não são cobrados em suas bases. O eleitor depois que os elegem não procura saber dos projetos do seu vereador, muito menos faz alguma reivindicação a este. Limita-se apenas a sugá-lo, como se cobrasse o seu voto. É uma ciranda de interesses sem fim.

O empreguismo é outra moeda de subserviência. É comum ser dada uma cota de subempregos a cada vereador ou empregar a esposa, filho ou quem este indicar em algum órgão público. Como se vê, é um engodo total e a ciranda de interesses só aumenta.

Não restam dúvidas em meio à população de que é preciso melhorar a composição das câmaras. Mais: se isto ainda não nos é possível, a culpa também é do eleitor (nossa) . É ele (nós) quem vota e elege. Entretanto, é preciso a Câmara investir na Câmara. Abandonar o laço de subserviência ao Executivo.

O vereador não deve ser apenas uma figura a bajular o Prefeito, precisa fazer para o povo. Temas dos mais diversos devem ser debatidos em forma de audiências públicas, painéis, seminários, etc. Precisamos de uma Câmara ativa e um público participativo, seja assistindo às sessões, seja levando suas reivindicações e opiniões, afinal de contas é na Câmara que estão nossos representantes.

E ainda que as Câmaras venham a ter laços de obediência ao poder executivo, o que se espera é que os poderes possam ser harmônicos entre si, e que seja dado o devido valor aos legisladores. Por sua vez, que estes sejam autônomos, e que lhes garantam a personalidade jurídica e o respeito que a função exige: “a de bem representar o povo”.

Isso é pedir demais?!?!

O que se espera dos próximos vereadores de Osasco 

Vale lembrar que a Câmara Municipal é um órgão colegiado e independente pelo qual se exerce o Poder Legislativo Municipal, tem como função principal a elaboração de leis municipais para regular a administração da cidade e a conduta dos cidadãos, visando sempre a promoção do bem comum e o atendimento dos interesses da população. A Câmara Municipal tem como função principal a elaboração e a aprovação de leis, de iniciativa popular, de autoria dos vereadores e do Prefeito, mas também tem por função institucional, com o auxílio do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, a fiscalização contábil, financeira e operacional dos atos do Poder Executivo além da fiscalização da execução do orçamento municipal. É também objetivo da Câmara Municipal assessorar o Poder Executivo sugerindo medidas administrativas à título de colaboração com a administração, através das indicações.

A missão do vereador: Enquanto agente político, ele faz parte do poder legislativo, sendo eleito por meio de eleições diretas e, dessa forma, escolhido pela população para ser seu representante. Esta noção de representante da sociedade está entre as noções mais caras dentre suas funções, pois as demandas sociais, os interesses da coletividade e dos grupos devem ser objeto de análise dos vereadores e de seus assessores na elaboração de projetos de leis, os quais devem ser submetidos ao voto da assembleia (câmara municipal). Dessa forma, são responsáveis pela elaboração, discussão e votação de leis para a municipalidade, propondo-se benfeitorias, obras e serviços para o bem-estar da vida da população em geral. Os vereadores, dentre outras funções, também são responsáveis pela fiscalização das ações tomadas pelo poder executivo, isto é, pelo prefeito, cabendo-lhes a responsabilidade de acompanhar a administração municipal, principalmente no tocante ao cumprimento da lei e da boa aplicação e gestão do erário, ou seja, do dinheiro público.

Sem individualismo e interesses particulares: Quanto à dinâmica das discussões e votações nas sessões, os vereadores organizam-se entre partidos que são considerados da base do governo (não apenas aquele do qual o prefeito faz parte, mas também outros que aderem ao modelo de governo da atual gestão) e os que são considerados de oposição. Vale dizer que o fato de um vereador ser da oposição não significa que ele sempre se posicionará contra as medidas propostas pelo prefeito ou pelos partidos de base. O contrário também é verdadeiro, uma vez que a base poderá não aprovar alguma medida do poder executivo. O que se espera, pelo menos em tese, é que o posicionamento dos parlamentares sempre seja pautado pelo interesse da coletividade (isto é, pela racionalidade na análise dos projetos), e não apenas em termos partidários, da disputa política.

Vaidade e oportunismo: O crescimento do número de candidaturas por todo o Brasil talvez seja um indicador de como muitas pessoas são atraídas à vida política menos por engajamento e conscientização que por interesses escusos e de promoção pessoal. Se por um lado faz parte da realidade brasileira um maior amadurecimento político da sociedade, o fortalecimento da democracia, bem como um processo eleitoral moderno copiado pelo mundo afora (quando pensamos nas urnas eletrônicas), pelo outro, ainda existem indivíduos que veem na política a possibilidade da ascensão econômica e do prestígio social, distanciando-se dos verdadeiros propósitos da vida pública.

Fiscalize: Obviamente, as generalizações são sempre equivocadas e por isso é certo ponderar que existem muitos vereadores sérios e comprometidos. No entanto, a história da política brasileira confirma a existência permanente de políticos de ocasião, oportunistas e de caráter duvidoso. Estes, na ânsia da realização de seu projeto pessoal de carreira política, acabam prometendo até mesmo fazer chover. Daí a necessidade do desenvolvimento de uma consciência política cada vez mais apurada e aguçada, pronta para descartar o voto nestes indivíduos e para confirmar o apoio aos que realmente desejam uma cidade melhor para todos. Por isso, fiscalize seu vereador!

A Câmara Municipal de Osasco teve 47% de renovação dos vereadores. Onze foram reeleitos e continuam com suas vagas na Câmara até o ano de 2016.

São eles: Dr. André Sacco (PSDB), Antônio Toniolo (PC do B), Cláudio da Locadora (PV), Jair Assaf (PSDB), Aluisio Pinheiro (PT), Josias (PSD), Mário Luiz Guide (PSB), Rogério Lins (PHS), Sebastião Bognar (PSDB)  e Valdomiro Ventura (PSL).

Dez novos vereadores assumirão as cadeiras em 2013: Maluco Beleza (PHS), Professora Mazé (PT), Alex da Academia (PDT), Karen Gaspar ( PT do B), Rogério Silva (PSC), Andrea Verginio Capriotti (PSD), Batista Comunidade (PT do B), Dinei Simão (PSC), De Paula (PSDB), Branco (PMDB) e Valdir Roque (PT).

Detalhe: Professora Mazé já havia sido vereadora na Câmara de Osasco entre 2001-2004.

Osvaldo Verginio (PSD) vai falar pela primeira vez após conseguir vaga de deputado estadual

Entrevista exclusiva com o mais novo deputado Osvaldo Verginio (PSD). Saiba tudo sobre os próximos passos desse político que cresce a cada eleição.

Nesta quinta feira a partir das 18h00 o vídeo será disponibilizado para você conferir! Aguardem!

Trabalho, sorte e destino. Osvaldo verginio é deputado estadual!

Com o resltado final das eleições nas cidades de Santo André e Mauá, Osvaldo Verginio (PSD) pode assumir o cargo de deputado estadual por dois anos. Verginio torcia pelas vitórias de Donisete Braga do (PT) de Mauá que obteve 57,14% dos votos validos e venceu a concorrente Vanessa Damo (PMDB) que atingiu 42,86% . Já Carlos Grana do (PT) de Santo André obteve 53,94% e derrotou Dr. Ainda Ravin do (PTB) que marcou 46,06%. Mas ainda não é oficial, o seu ex-partido, o PR, (Partido da Republica) pode requerer a vaga uma vez que o vereador ingressou no PSD, (Partido Social Democrático). A alegação poder ser infidelidade partidária. Entretanto a estratégia de Verginio parece que foi inteligente, a Lei eleitoral afirma que aquele que muda de partido, sendo esse uma nova sigla, ou então uma fusão de duas siglas antigas, a vaga é do candidato. Vamos aguardar!

Confira o resultado: 

          Mauá

  • DONISETE BRAGA
    DONISETE BRAGA – PT

    57,14% 120.115

  • VANESSA DAMO
    VANESSA DAMO – PMDB

    42,86% 90.098

    • VOTOS APURADOS242.341
    • VÁLIDOS210.213 (86,74%)
    • BRANCOS11.751 (4,85%)
    • NULOS20.377 (8,41%)
    • ABSTENÇÕES50.804 (17,33%)

     Santo André

    • CARLOS GRANA PT
      CARLOS GRANA PT – PT

      53,94%202.287

    • DR. AIDAN RAVIN
      DR. AIDAN RAVIN – PTB

      46,06%172.711

    • VOTOS APURADOS437.814
    • VÁLIDOS374.998 (85,65%)
    • BRANCOS18.558 (4,24%)
    • NULOS44.258 (10,11%)
    • ABSTENÇÕES109.313 (19,98%)

    Osvaldo Verginio é o atual vereador de Osasco pelo PSD, mas foi eleito pelo (PR) quando disputou a eleição em 2008, na ocasião obteve a maior votação da história da cidade obtendo 10.001 votos, marca superada nesta eleição pelo vereador Antonio Aparecido Toniolo do (PC do B) que conseguiu 10.512 votos. Nas eleições de 2010 Verginio saiu como candidato a deputado estadual pelo PR e obteve 64.242 votos, era o terceiro suplente na coligação do então PR com o PT. Já nesta última eleição, o atual vereador ousou passos maiores e foi um dos concorrentes ao cargo do executivo de Osasco pelo novo partido, PSD. Não obteve sucesso nas urnas e ficou em terceiro lugar com 38.705 votos, 16,78% válidos.

    Se tivesse que resumir Osvaldo Verginio em uma palavra, a palavra seria “polêmico”! Mas por outro lado o Edil é bastante popular na cidade pelos trabalhos sociais que desenvolve. Numa entrevista ao programa Xeque Mate em maio deste ano, ele afirmou que atende as necessidades do povo porque o governo não presta um bom serviço. “O povo precisa de carinho, o povo precisa de assistência, o governo não dá!”, afirmou.

    Pelo visto em 2013 a família Verginio vai ter muitos motivos para comemorar. Com a vitória da sua esposa, Andréa Capriotti, também do (PSD) para o próximo pleito na Câmara Municipal, e o cargo de deputado estadual por dois anos na Assembleia Legislativa de São Paulo, fica evidente o crescimento político do PSD na cidade de Osasco e a felicidade do presidente da sigla em Osasco, Lau alencar.

    Assista a entrevista na íntegra do mais novo deputado estadual pelo (PSD), Osvaldo Verginio, quando participou do programa Xeque Mate.

    http://www.youtube.com/watch?v=HIy68O_zByA

Jorge Lapas afirma: “Podem me cobrar, tenho a obrigação de fazer um bom governo”

Jorge Lapas afirma: “Podem me cobrar! Tenho a obrigação de fazer um bom governo”

Após a proclamação oficial do juiz Samuel Karazin proclamando Jorge Lapas prefeito de Osasco, Lapas concedeu uma entrevista ao vivo ao programa “In Vista” pela TV Osasco.
O jornalista Roberto Carlos C entrevistou com exclusividade o prefeito eleito.

A Justiça Eleitoral de Osasco decretou nesta sexta-feira o petista Jorge Lapas como prefeito eleito na cidade. Lançado pelo atual prefeito, Emídio de Souza (PT), sem nunca ter disputado uma eleição antes, Lapas obteve 138 mil votos (60% dos válidos) e assumirá em 2013. A decisão foi do juiz Samuel Karasin.

Maiores informações acesse: http://www.jornalistarobertoc.com.br

Parabéns Osasco pelos seus 51 anos de emancipação político-administrativa!

OSASCO DOS CONTRASTES!

Ponte Osasco!

Osasco, uma cidade tão rica e tão pobre!

Inexplicavelmente, uma das maiores potencialidades desta cidade tem custo zero e encontra-se disponível a maior parte do tempo. A maior riqueza desta terra é sua gente. Osasco é uma grande cidade geradora de empregos para todos os moradores do município da região oeste de SP, uma cidade que cresceu muito nesses últimos oito anos. Entretanto os desafios para o próximo prefeito de Osasco serão grandes.

As enchentes ainda presentes no bairro jardim Rochdalle e região central causam muitos transtornos para os municípes.

enchentes

O desenvolvimento trouxe problemas como o trânsito cada vez mais complicado, a falta de verde é evidente, uma cidade cada vez mais cinzenta.

OSASCO 1

Urbanização de áreas livres, são 80,2 mil pessoas em 21,5 mil barracos existentes em 71 favelas da cidade, a tarifa por quilômetro rodado é uma das mais altas de São Paulo.

OSASCO 2

Na saúde a situação também é complicada, conseguir uma consulta médica especializada no sistema público de saúde implica em uma espera mínima de três meses.  Estes são apenas alguns dos muitos desafios que o novo prefeito vai enfrentar.

incor3

O que se espera do prefeito eleito Jorge Lapas

esse

O que se espera do novo prefeito de Osasco em primeiro lugar é a fidelidade ao seu povo. Essa fidelidade se expressa principalmente no cumprimento do programa de governo – obras e ações com que ele se comprometeu para sua cidade durante a campanha – ou, ao menos, no cumprimento do programa de ação que explicitou nos diálogos que teve durante o processo eleitoral.

Em segundo lugar se espera ter capacidade acumulada para dirigir o município (experiência administrativa; liderança política; bom conhecimento dos assuntos contemporâneos da cidade; equilíbrio no enfrentamento de conflitos e crises; postura de diálogo aliada à capacidade de decisão no tempo oportuno; paciência e disponibilidade para ouvir a população e os vereadores; tolerância quanto à diversidade de estilo das pessoas com quem trabalha; disposição para ter presença e vigilância contínuas no município; costume de trabalhar com planejamento e em equipe; coragem de dizer não).

Em terceiro lugar se espera que tenha as qualidades necessárias para uma vida política sadia (honestidade no exercício de cargo público; transparência nas atividades públicas; separação completa entre os recursos públicos e os interesses da família, dos amigos, de empresas, do partido).

E finalmente em quarto lugar se espera que seja competente na arrecadação de recursos para dar conta das demandas populares, que são muito fortes sobre ele, uma vez que o poder municipal, prefeito e vereadores, é aquele que, em todo o mundo, está mais próximo do contato direto com o povo. O poder municipal no Brasil cuida da educação infantil e cuida bastante da saúde do povo. Juntas, as obrigações de educação e saúde podem ultrapassar a metade dos gastos municipais. Acrescentem-se às tarefas do poder municipal a conservação e investimento na infra-estrutura viária e em todos os aspectos físicos da cidade, o cuidado com o transporte coletivo municipal, com o trânsito, com a limpeza urbana, com a iluminação pública, com assistência social, com habitação popular, com a promoção do desenvolvimento econômico, do emprego e renda, com o esporte, com a cultura, com o lazer, com os serviços funerários e com novas tarefas que os municípios vieram assumindo em todas as áreas, inclusive na segurança pública.

Osasco tem tudo para se tornar a maior cidade do Estado de São Paulo

Osasco-SãoPaulo

O município de Osasco esta cada vez mais forte para assumir um papel de protagonismo no novo ciclo de desenvolvimento nacional que ora vivemos. É fundamental que o prefeito eleito em 2012 saiba aproveitar este momento conjuntural favorável. Ao mesmo tempo, precisa estar à altura dos novos desafios criados com um ritmo de crescimento prolongado, de geração de empregos, de redução da pobreza, de explosão do consumo, de ampliação do crédito, da receita e da possibilidade de financiamento público.

O tempo do município e do prefeito pode parecer sempre o mesmo, mas na realidade não é. O que se espera do novo prefeito de Osasco é que esteja à altura deste tempo atual, impulsionando políticas de democracia participativa e de inclusão social no município e tendo abertura ao novo cenário das relações internacionais das cidades, sem deixar de ter as qualidades permanentes e essenciais de um administrador público que está lá para servir ao bem comum.

Boa sorte Jorge Lapas!

Mortes em Carapicuíba e toque de recolher em Osasco e na zona Sul de SP

Sete linhas de ônibus não circularam na noite/madrugada da quarta-feira, 27, depois das 20 horas, na região do Sacomã, periferia da zona sul de São Paulo. Já no meio da tarde, a empresa Via Sul anunciava a retirada de circulação de sete linhas de ônibus. Já em Osasco na grande São Paulo, vários bairros foram ameaçados pelo toque de recolher.
Pode ser que a crise, os boatos e os fatos sobre o “toque de recolher” nas últimas 48 horas mudem, tenham mudado no final da noite da quarta-feira, 27, e madrugada desta quinta, 28, esse cenário de inação .
Na madrugada, nas redes sociais, dezenas de informações sobre toque de recolher na periferia, ônibus nas garagens, e blitz da polícia em algumas regiões da cidade. Quem sabe a PM, enfim, foi ou vai para as ruas ostensivamente.

Entre a noite de quarta (24) e madrugada de quinta-feira, pelo menos 14 pessoas foram baleadas na capital e Grande São Paulo. Pelo menos seis vítimas morreram. Uma delas era policial militar.

Dados da violência no estado
Nesta quinta, foi divulgado mais um balanço da Secretaria da Segurança Pública (SSP) que apontou uma alta significativa nos índices dos chamados crimes contra a vida em setembro em comparação com o mês de agosto. Em confrontos entre policiais militares e criminosos, nos primeiros nove meses, os confrontos resultaram em 382 vítimas, sendo 13 delas policiais militares, em todo o estado. Na capital, 240 pessoas, sendo oito PMs, morreram nestes confrontos.

E, a cada trimestre de 2012, o número de mortos, tanto de suspeitos quanto de policiais, nos embates aumentou progressivamente. No primeiro trimestre, foram mortos 64 suspeitos na capital e 112 em todo o estado; um PM morreu na capital e dois, no estado. No segundo trimestre, as vítimas subiram para 76 na capital e 117 no estado; contra três PMs mortos na capital e seis no estado. E, por fim, no terceiro trimestre, 92 mortos na cidade de São Paulo e 140 no estado; e quatro policiais mortos na capital e cinco em todo o estado.