“Fale com o prefeito” de Osasco chega a sua 3ª edição

Em sua 3ª edição, o programa “Fale com o prefeito”, canal criado pela prefeitura para ampliar e aproximar o acesso dos cidadãos com secretários municipais e com o prefeito, esteve no Jardim Helena Maria, na zona Norte de Osasco, no sábado, 16/9. Durante todo o dia, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, atendeu cerca de 110 moradores da região.

4

Esta é a primeira vez que o programa é realizado fora da Prefeitura. Daqui em diante, a cada nova edição uma região será atendida. De acordo com Lins, “ir às ruas é a melhor maneira para tomar conhecimento e buscar soluções para as dificuldades da nossa cidade. Assim está sendo o programa ‘Fale Com o Prefeito’. É a Prefeitura indo até o cidadão, ouvindo e discutindo a cidade que queremos ter no presente e no futuro””, comentou.

A iniciativa permite um contato direto do prefeito com o munícipe, que muitas vezes não tem a oportunidade de fazer sua reivindicação ou mesmo sugestão de melhorias para a cidade. “Estou aproveitando para pedir clínico geral, ginecologista e psiquiatra para a UBS Lia Buarque Macedo Gasparini, no Jardim Conceição, porque estão faltando estas especialidades na unidade. Meu papel é fiscalizar e ajudar a administração em situações que requerem mais atenção no campo da saúde pública”, comentou Adilson Gringo, um dos titulares do Conselho Gestor de Saúde de Osasco.

4

Com sistema unificado, assim que os atendimentos das demandas são realizados durante o programa “Fale com o Prefeito”, eles são registrados no sistema da Central 156 e as solicitações são encaminhadas aos respectivos setores para tratativas imediatas. No momento do atendimento, o munícipe recebe os devidos esclarecimentos pelo prefeito, técnicos e/ou secretários e é orientado a aguardar o retorno da tratativa pela Central 156.

“Vim somente agradecer o prefeito Rogério Lins pela atenção e oportunidade do meu esposo estar fazendo fisioterapia na Policlínica Zona Norte. Graças a ele, na edição anterior, que aconteceu na Prefeitura, conseguimos resolver esse problema de saúde do Orlando”, comentou aliviada Alventina Félix, 47 anos, moradora do Munhoz Júnior.

Dona Luzinete Dutra Silva, 59, moradora do Baronesa, saiu confiante. “Fui encaminhada para a Secretaria de Saúde, que ficou de averiguar meu encaminhamento para microcirurgia de varizes, que espero há 4 anos para fazer. Esse serviço está aprovado por mim e deve acontecer mais vezes”, disse.

A 4ª edição do programa “Fale com o Prefeito” ainda não tem data e local definidos, mas a Prefeitura estuda qual será o próximo bairro a ser contemplado com o serviço e fará ampla divulgação nas redes sociais e no site oficial do município.

Veja como foi o fale com o prefeito!

Texto: Olga Liotta

Fotos: Sérgio Gobatti

Anúncios

Crack atinge dois milhões e coloca Brasil no topo do ranking de consumo da droga

No programa ‘Microfone aberto com RC’ transmitido ao vivo pelo Canal Smart na Cobbonet canal 23, falamos sobre um grave problema que aterroriza as famílias brasileiras. Isso mesmo! O tão temido crack, uma droga que vem levando várias pessoas à morte no país.

1

Para comentar essa triste realidade, convidados Rafael Alves, advogado e idealizador do projeto Rede Social de Osasco. Recebemos também Silvio Luiz, ex-viciado em crack que passou dois anos lutando contra o vício. Só o Brasil representa 20% do consumo mundial de crack, e é o maior mercado da droga no mundo. No País, aproximadamente dois milhões de pessoas já usaram a droga, segundo a pesquisa mais recente do Lenad (Levantamento Nacional de Álcool e Drogas), realizado em 2012 pela Unifesp. Porém, os impactos do crack no organismo podem ser devastadores devido à velocidade e potência com que seus componentes chegam ao pulmão e ao cérebro, segundo alerta o psiquiatria e psicólogo responsável por pesquisas de ensaio clínico para o tratamento de dependência por crack da Unifesp André de Queiroz Constantino Miguel.

               A Dependência é rápida e muitos usuários procuram a Cracolândia

maxresdefault

Drogas estimulantes como o crack, a cocaína, a anfetamina e a metanfetamina, por exemplo, têm padrão diferente, porque hipersensibilizam o cérebro de forma mais intensa, que pra alguns vai promover o padrão de dependência mais forte e rápido,  segundo diz presidente da Abead (Associação Brasileira de Estudos de Álcool e Drogas), Ana Cecília Marques. Pode chegar até à psicose cocaínica, que é quando a pessoa se vê perseguida, tem delírios e paranoias, pois está em um alto grau de intoxicação pela substância.

94061-970x600-1

Segundo a especialista, toda pessoa que consumir crack, nem que seja somente por uma noite, vai apresentar quadro de depressão. Nossa equipe de reportagem visitou a Cracolândia no centro de São Paulo e mostrou como o local se encontra depois da ação da prefeitura realizada no mês de maio deste ano para combater o tráfico de drogas na região.

O mercado aberto de drogas que ocupava a alameda Dino Bueno e seu entorno. Estas vias estão de fato livres agora, como diz o prefeito, mas as ações levadas a cabo nesta área ao longo da semana, muitas delas apressadas e improvisadas, expuseram uma série de contradições da Administração Doria e de seu plano para tratar os dependentes químicos – batizado de Redenção.

951budz693_4ecf4yb2wp_file

A questão da cracolândia voltou para os holofotes com a mesma força que a polícia limpou o local, tornando-se a primeira pedra no sapato de Doria em um momento no qual ele aparece como o principal nome do PSDB para disputar a presidência da República — uma possibilidade que ele já não nega publicamente.

Família é fundamental no tratamento

100518_crack_f_001

A tendência do usuário do crack é se afastar de amigos e familiares que não fazem uso e de se aproximar de quem usa o crack, explica o pesquisador da Unifesp.

— Quando o consumo chega a um padrão extremamente compulsivo, o indivíduo passa a ter problemas econômicos graves e passa a roubar seus familiares, o que traz ainda mais conflitos com a família.

O usuário, inclusive, deixa de apresentar sentimentos como o carinho e demais sentimentos afetivos.

— Em geral, sua prioridade afetiva está na droga. Se o usuário der ouvidos às pessoas mais queridas, que, geralmente, querem seu bem e, por isso, querem que ele pare de usar drogas, ele viverá um conflito entre essa fala e seu desejo de usar. Por isso, enquanto ele escolhe usar a droga, tende a diminuir sua empatia pelas pessoas.

Confira na íntegra programa ‘Microfone Aberto com RC’

 

 

 

 

 

 

 

Fundo Social de Solidariedade e Embelleze lançam programa “Comunidade Linda”

Na sexta-feira 1/9, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, ao lado da primeira-dama e presidente do Fundo Social de Solidariedade, Aline Lins, participou do lançamento do projeto “Comunidade Linda”, evento que ocorreu no auditório do Fundo Social de Solidariedade.

1

Desenvolvido por meio de uma parceria entre o Fundo Social de Solidariedade e o Instituto Embelleze/Unidade Osasco, o projeto é voltado ao bem-estar da população e tem por objetivo atender a comunidade com serviços gratuitos de corte de cabelo, barba, hidratação, escova, sobrancelha, esmaltação, entre outros.

Para participar é necessário estar cadastrado em uma das associações parceiras do Fundo Social.  A Prefeitura de Osasco será responsável pelo transporte das pessoas que serão atendidas 3 vezes por semana no Núcleo Central do Instituto Embelleze (Avenida Marechal Rondon, 151).

“Hoje iniciamos mais um projeto do Fundo Social por meio do qual atenderemos semanalmente 60 pessoas da comunidade. Nosso objetivo é contribuir para elevar o bem-estar das pessoas. Esta é uma forma, também, de aumentar a autoestima dos homens e mulheres da nossa cidade. Queremos agradecer a toda equipe do Instituto Embelleze, especialmente aos representantes da Embelleze Osasco, Gustavo e Val”, disse a primeira-dama Aline Lins.

O prefeito frisou que a Embelleze atua na cidade há mais de 13 anos e conhece o trabalho sério desenvolvido pela empresa. “Só tenho a agradecer a Embeleze por mais esta parceria que irá valorizar ainda mais a entidade e prestar um ótimo serviço à população”.

1

Secretaria de Comunicação Social
Av. Bussocaba, nº 300 – Centro – CEP: 06023-901 – Osasco/SP

Telefone: (11) 3652-9456

E-mail: imprensa@osasco.sp.gov.br

Site: www.osasco.sp.gov.br

A Cracolândia de um jeito como você nunca viu!

Nossa equipe de reportagem visitou a Cracolândia no centro de São Paulo e mostrou como o local se encontra depois da ação da prefeitura realizada no mês de maio deste ano para combater o tráfico de drogas na região.

Crack epidemic in Brazil

O mercado aberto de drogas que ocupava a alameda Dino Bueno e seu entorno. Estas vias estão de fato livres agora, como diz o prefeito, mas as ações levadas a cabo nesta área ao longo da semana, muitas delas apressadas e improvisadas, expuseram uma série de contradições da Administração Doria e de seu plano para tratar os dependentes químicos – batizado de Redenção. A questão da cracolândia voltou para os holofotes com a mesma força que a polícia limpou o local, tornando-se a primeira pedra no sapato de Doria em um momento no qual ele aparece como o principal nome do PSDB para disputar a presidência da República — uma possibilidade que ele já não nega publicamente.

1

A maior atenção ao que se passa em grandes cidades, porque nelas o problema é mais visível e por isso mais chocante – como a concentração de dependentes na Cracolândia, em São Paulo –, fez com que só mais recentemente começassem a surgir estudos mostrando a larga difusão do crack por todo o País. A tal ponto que já se pode dizer que ele tem tudo para se tornar um grave problema de âmbito nacional, que não poupa nenhuma região, das mais ricas às mais pobres, e, nelas, nem mesmo as pequenas cidades do interior. Cerca de 2 milhões de brasileiros já usaram crack/merla e oxi pelo menos uma vez na vida, sendo que 1,4% desse total são pessoas adultas e 1% são jovens. Ainda segundo o levantamento, um milhão de pessoas usaram este tipo de droga no último ano, sendo um em cada cem adultos.

maxresdefault

Um exemplo disso é o que se passa em São Paulo, como mostra reportagem da RC TV Interativa feita com base em estudo do Observatório do Crack, da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Os números levantados são tão impressionantes e assustadores que, perto deles, a Cracolândia já não pode ser considerada o ponto alto do problema, como se pensou por muito tempo. Dos 645 municípios do Estado, nada menos que 558 – entre os quais se inclui a capital – estão às voltas com problemas acarretados pelo crack, embora com níveis diferentes de gravidade. Segundo a Unifesp, pouco mais de 5 milhões de pessoas já experimentaram a droga durante a vida, sendo que 4% são adultos e 2% adolescentes. Só em 2011, 2,5 milhões de pessoas usaram cocaína em pó no País.

Usuariodecrack

O índice de consumo é tão alto que o Brasil só perde para os Estados Unidos no ranking mundial. Em 2011, os EUA registraram cerca de 4 milhões de usuários. Segundo o estudo, 15% da população americana usou a droga durante a vida e 2% só no ano passado. Está mais do que na hora de União, Estados e municípios acordarem para a gravidade do problema e colaborarem estreitamente na formulação e implementação de uma nova e mais ousada política de combate às drogas, em especial o crack, que ataque ao mesmo tempo e com igual empenho os seus dois aspectos fundamentais: a assistência social e médica para a recuperação dos dependentes e o combate sem trégua aos traficantes.

1

Agora, a administração Doria corre para aplicar o seu programa anticrack, o Redenção, e provar que ele respeita o seu próprio lema de Governo: o de fazer de São Paulo uma cidade mais humana. “O programa é um projeto de médio prazo com início, meio e fim que iria minguando a cracolândia. O que tem de fazer agora? A GCM e a PM devem abrir aquelas ruas e deixar aquilo decantar. Aquela massa humana vai parar em algum lugar e se estabilizar.

1O drama do casal que se conheceu na Cracolândia e buscam tratamento para se livrar das drogas

Camila, 34 anos e Felipe Roberto, 28 anos buscam tratamento no CAPS ( Centro de Atenção Psicossocial ) instalado na Cracolândia para atender aos usuários de drogas. O casal se conheceu na Cracolândia a cerca de três meses e ambos são viciados em cocaína e maconha.

1        Leandro Gonçalves Rosa é usuário de crack e também busca tratamento no projeto Redenção

Pai de três filhos, Leandro já não aguenta mais viver pelas ruas da capital paulista em busca de crack e outras drogas. O projeto Redenção pode ser a última chance para voltar para os braços da família que sofre junto com ele a cerca de dois anos.

Quando aquilo se acalmar, aí deve começar o projeto Redenção, enquanto a polícia faz seu papel de investigação”, explica o promotor Arthur Pinto. Já Marcela (nome fictício), uma assistente social da prefeitura que atua na Cracolândia, pede cautela: “O Doria fala em acelerar São Paulo, mas não existe acelerar com essas pessoas [os dependentes químicos]. Porque se você acelera, você atropela. E vai deixando rastro para trás”.

1

Uma das principais novidades no programa foi a inclusão do projeto Redenção, iniciado por Doria em maio após uma operação policial na Cracolândia, antigo reduto de usuários de crack e de outras drogas no Centro de São Paulo. Por meio do projeto Redenção, a promessa de Doria, agora, é criar 2 mil vagas de “atendimento humanizado” em saúde e assistência social especial para pessoas em situação abusiva de álcool e drogas. “O que eu quero deixar claro pra vocês é que nós não vamos recuar, não vamos abandonar nossa ação contra os traficantes e contra os bandidos”, disse Doria em vídeo postado em seu perfil no Facebook. “O estado não pode cruzar os braços, fingir que não vê, que não assiste, que não existe o problema, durante duas décadas poucas tentativas foram feitas e não funcionaram e houve um recuo.

Por que houve um recuo? Pelas mesmas razões que agora eu não vou recuar: pela pressão da sociedade civil, de segmentos ideológicos ou partidarizados que querem intimidar no grito e na força a ação pública. Não vai funcionar, nós vamos manter nosso equilíbrio, nossa determinação, a forma precisa de atuar”, afirmou o prefeito. O prefeito ressaltou que não se faz política pública “sem firmeza, sem determinação” e voltou a declarar que a Cracolândia acabou. “A Cracolândia, fisicamente, ela deixou de existir. Durante 20 anos ela funcionou na rua Dino Bueno com a Rua Helvétia. Ali era o maior supermercado de drogas da América Latina e um dos maiores do mundo” Sobre as críticas de que a Cracolândia mudou de local e se espalhou pela cidade, o prefeito disse que irá agir em todos os locais identificados neste ano. “Alguns podem dizer: “espalharam-se pela cidade”, nós já tínhamos várias Cracolândias na cidade e vamos agir sobre todas elas no momento oportuno e isso nós faremos ainda esse ano” De acordo com o prefeito, a o acolhimento dos dependentes continuará a ser realizada pela Assistência Social do estado e do município.

Prefeitura vai recorrer A Prefeitura de São Paulo informou que irá recorrer da decisão do Tribunal de Justiça que proíbe a apreensão de usuários de drogas na Cracolândia para submetê-los a exames. A autorização, que saiu na noite de sexta-feira (26), determinava que a internação compulsória só poderia ocorrer após avaliação médica e autorização de um juiz. O Ministério Público e a Defensoria recorreram da decisão do juiz Emílio Migliano Neto, da 7ª Vara da Fazenda Pública. O magistrado considerou os argumentos da Promotoria relevantes e também tirou o segredo de Justiça do processo.

O desembargador Reinaldo Miluzzi, autor da liminar, afirma em sua decisão que “o pedido da Prefeitura de São Paulo é impreciso, vago e amplo, e, portanto, contrasta com os princípios basilares do Estado Democrático de Direito, porque concede à municipalidade carta branca para eleger quem é a ‘pessoa em estado de drogadiçāo vagando pelas ruas da cidade de São Paulo’”. A liminar vale até que a 13ª Câmara de Direito Público do TJ avalie o caso mais profundamente.

O crack deve merecer maior atenção por suas características, que o tornam particularmente perigoso: é uma droga barata – o que explica sua difusão –, que vicia rapidamente. Tem efeitos devastadores.

Confira reportagem completa em vídeo!

 

Gincana do Programa Biodiesel Osasco premia alunos com visita ao Projeto Tamar

Alunos e professores da EMEF General Bittencourt foram contemplados no dia 15/8 com uma visita ao Projeto Tamar em Ubatuba. A visita foi realizada como premiação para a escola que coletou e entregou ao programa Biodiesel o maior volume de óleo de cozinha, cuja destino é a reciclagem, feita  por meio da transformação em biodiesel.

Com o foco na educação ambiental, a visita ao Projeto Tamar, mostrou aos alunos a importância da preservação das tartarugas, seu habitat natural e a destruição das ações do homem na natureza.

Após o encontro, os alunos participaram de uma monitoria com o Corpo de Bombeiros em que foi apresentada a seriedade da atuação dos bombeiros nas praias e os perigos inerentes ao mar. Também foi realizada uma ação de Educação Ambiental com destaque para os resíduos que são descartados incorretamente nestes espaços.

O programa Biodiesel foi implantado em 2008 e vem ganhando destaque em diversos setores. Nas escolas, este é um programa importante que colabora com a formação de crianças e jovens com o intuito de despertar no estudante o seu papel na preservação do meio ambiente.

Através da 12° gincana o programa tem conseguido conscientizar os alunos sobre a importância da reciclagem do óleo de cozinha usado, divulgar cada escola como ponto fixo e voluntário de coleta, além de expandir o ponto de coleta para toda a comunidade escolar e vizinhança.

osasco 5

Mais informações podem ser obtidas através do (11) 3652 9107, biodiesel.sema@osasco.sp.gov.br.

 Com informações da Secretaria de Comunicação Social – Osasco

Prefeito Rogério Lins acompanha discussão do Plano Diretor no Rochdale

No sábado, 18/8, o prefeito de Osasco, Rogério Lins, participou de mais uma oficina do Plano Diretor, realizada na EMEF Terezinha Martins Pereira, no Rochdale. O encontro faz parte da segunda etapa da revisão do documento que determinará as novas regras para orientar a gestão da cidade nos próximos 10 anos e que atende a lei federal 10.257/2001.

osasco 2

Ao lado dos secretários Dulce Helena Cazzuni (Planejamento e Gestão) e Marco Antônio Villela (Habitação e Desenvolvimento Urbano), Lins conversou com a comunidade que marcou presença para discutir temas como Habitação Social, Meio Ambiente, Mobilidade Urbana, Políticas Setoriais, Desenvolvimento de Territórios Periféricos, Função Social, Produção Imobiliária, entre outros.

De acordo com o prefeito, Osasco é uma cidade muito nova, mas com um grande potencial econômico. “Somos o 2º PIB Estado e 8º do País, fruto do trabalho de todas as pessoas que passaram pela administração, inclusive com várias obras que estão tendo continuidade e outras novas ações que serão consolidadas ao longo dos próximos anos. Não temos interesse em interromper projetos, as obras não são dos governos nem dos partidos, são da cidade”, disse.

Lins destacou a interação dos diversos setores da cidade, que apesar das divergências políticas, se unem para um mesmo objetivo: “A participação popular junto ao poder público define o resultado que vamos alcançar. Quando nos unimos, a chance de dar certo é maior. Apesar de pensarmos diferente, quando o assunto é a cidade, temos o mesmo objetivo e esse sentimento é o que nos une”, afirmou.

A secretária de Planejamento e Gestão, Dulce Helena, ressaltou a importância da sociedade civil, empresas e poder público pensarem juntos a cidade para os próximos anos. “Essa ferramenta irá possibilitar que concretizemos nossos desejos e sonhos. Que tenhamos muitas ideias e muita iluminação para desenharmos um Plano Diretor viável  e compatível com as características da nossa cidade”.

osasco 1

Participaram do encontro, os vereadores Tinha Di Ferreira e professora Régia.

Com informações da Secretaria de Comunicação Social 

 

Neste domingo tem a Feira de Trocas de Osasco

No próximo domingo, 13/8, Osasco e cidades vizinhas poderão curtir uma nova experiência de consumo, divertida, democrática e sustentável. Nessa data, a Escola de Artes César Antônio Salvi – situada na Rua Tenente Avelar Pires de Azevedo nº 360, centro de Osasco – irá sediar a primeira edição do EscambOZ, a Feira de Trocas de Osasco, que traz o consumo colaborativo ao município.

Na feira, todos poderão expor produtos de diversas categorias, quando bem conservados, para escambo com outras pessoas. Serão trocados insumos para artesanato (e também peças prontas), livros, discos, utensílios domésticos, roupas e acessórios, itens de decoração e até serviços. O produtor Rodrigo Marques Foresto, responsável pelo projeto, lembra que “quem participar do EscambOz irá dar nova vida a muitos itens que estão obsoletos em casa e adquirir outros que lhe serão mais úteis”.

Surgidas no Canadá nos anos 1980, essas feiras se baseiam em princípios da economia solidária: a solidariedade e a cooperação ao invés da acumulação; o trabalho e a criatividade ao invés da posse; o conhecimento ao invés da ostentação. O produtor enfatiza o caráter democrático da feira, pois “no EscambOz, o mais importante é a utilidade de algo para quem vai trocar, como por exemplo, uma bijuteria que combine perfeitamente com o vestido de debutante de sua filha ou um disco de vinil que fará seu pai sorrir como uma criança, pode ser mais valioso que um aparelho eletrônico ou uma roupa de grife”.

Fernanda Wilde Villela (30 anos, moradora da Vila Menck) lembra que o escambo é uma prática sustentável e divertida: “É muito importante o consumo colaborativo através das trocas, pois contribuímos para o meio ambiente e fazemos novas amizades”. Ela, que antes mesmo do EscambOz já trocava produtos com pessoas de várias regiões, celebra o fato de que Osasco tenha sua própria feira de trocas, e finaliza afirmando que “além de objetos, também trocamos boas energias”.

A participação no EscambOZ é gratuita. Basta levar seus itens novos ou bem conservados, ocupar um espaço e expor os objetos para trocar. Você anda pela feira, escolhe itens de outras pessoas, as convida para visitar seu espaço e selecionar o que quer em troca. Se estiver bom para as duas partes, é negócio feito.

O projeto, aprovado pelo Edital de Ocupação da Secretaria da Cultura de Osasco, contará nesta edição com a arrecadação de brinquedos a serem doados para crianças carentes (12 de outubro, Dia da Criança, está chegando), sendo uma ótima oportunidade para artistas da cidade propagarem seus trabalhos, trocando suas obras com outros artistas ou por qualquer item da feira. Vale para autores, artistas plásticos, artesãos, e para todo mundo que quiser participar desta louvável iniciativa, que é o consumo colaborativo.

TOCAS

Serviço:

EscambOZ – A Feira de Trocas de Osasco

Data: 13/8, das 14h às 17h30

Local: Escola de Artes César Antônio Salvi

Endereço: Rua Tenente Avelar Pires de Azevedo, 360 – Centro de Osasco

Ingresso: Gratuito

Indicação: Para toda a família/Livre

Mais informações: (11) 95211- 4468 (Rodrigo Marques Foresto)